Vida Longa

Publicado em 2 de September de 2012 | Deixar um comentário

Método ajuda a corrigir a postura, evitar quedas e garantir bem-estar físico e mental para quem chegou na “melhor idade”.

“Um jovem sem flexibilidade é um velho; um velho com flexibilidade é um jovem”. A frase do idealizador do método, Joseph Pilates, descreve muito bem a essência da prática e o que ela pode fazer para quem chegou à terceira idade- inclusive para aqueles que usaram e abusaram de hábitos nada saudáveis ao longo da vida. “Entretanto, é fundamental que seja realizada uma avaliação constituída de anamnese e exame físico para diagnosticar necessidades específicas. Usualmente, o resultado do exame de densintometria óssea pode indicar se há risco de fraturas no caso da osteoporose, por exemplo”, esclarece Elaine de Markondes, médica, fisioterapeuta e presidente do DeMarkondes Pilates (centro de excelência em formação de instrutores no método Pilates), de Curitiba (PR).
Para a fisioterapeuta Munique Papaleo, que é instrutora do método e diretora técnica do ArtPilates Studio, no Rio de Janeiro (RJ), desde que bem conduzido, o Pilates pode ajudar em todos os desequilíbrios posturais e alterações sofridas pelo corpo com o passar do tempo. “O método pode contribuir para um envelhecimento mais saudável e feliz. Uma das grandes vantagens do pilates é o fato de proporcionar o ganho de amplitude articular por meio do equilíbrio entre fortalecimento e flexibilidade dos músculos. Assim, ao exercitar os músculos que envolvem as articulações, é possível diminuir a pressão sobre elas e aliviar as dores. O praticante passa a mobilizar suas articulaçãoes com mais eficiência e menos desgaste, recuperando movimentos que já não era mais capaz de realizar”, comenta a fisioterapeuta.

Alunos experientes

Na terceira idade, a prática do pilates não precisa ser necessariamente individual, mas é importante que o instrutor possa dar atenção especial ao aluno. “O atendimento deve ser dividido por grupos homogêneos, com praticantes com as mesmas necessidades”, sugere Elaine.
Os resultados podem ser percebidos logo no início. “Nas primeiras aulas, o praticamente já relata alívio de dores e, a partir da décima aula, percebe melhoras na postura e na organização corporal, evoluindo para o ganho de força e flexibilidade”, avalia Munique.

Programa personalizado

De acordo com Elaine de Markondes, a série ideal para idosos deve exercitar todos os planos do corpo e os diferentes decúbitos, propondo posicionamentos variados durante o atendimento. “Os exercícios realizados em posição vertical (em pé) são indispensáveis, pois treinam e educam o equilíbrio e a coordenação. Os movimentos que estimulam a instabilidade do corpo como aqueles realizados em superfícies instáveis, devem ser feitos sempre com bom apoio do instrutor e são importantes para educação da coordenação e do equilíbrio”, sugere.

Indicação médica

Segundo Munique Papaleo, cerca de 20% dos seus alunos que pertencem ao grupo da terceira idade ingressaram no pilates por recomendação médica. “Os médicos entendem que a  técnica prioriza a qualidade, ou seja, com poucas repetições dos exercícios não há sobrecarga ou fadiga aos músculos e as articulações”, explica.

Benefícios importantes para idosos

  • Ajuda no alinhamento postural
  • Melhora o equilíbrio e evita quedas
  • Contribui para o fortalecimento muscular
  • Aumenta a flexibilidade
  • Estimula a reeducação respiratória
  • Previne e ajuda no tratamento de patologias como osteoporose e degeneração articulares
  • Ameniza o estresse, ansiedade e depressão
  • Ajuda a elevar a autoestima

Fonte: Revista O Grande Guia de Pilates e Bem-Estar
Ano 1, nº1 – 2012

Deixe um comentário

0 comentário